Viajar com bebês – dicas para mães aflitas!

IMG_20180613_103047288-1[1]

Não façam isso em casa, levem menos malas 🙂

Antes de viajarmos para Portugal eu vasculhei toda a internet para encontrar dicas para viajar com bebê. Eu li absolutamente todas as páginas do google. Minhas pesquisas: “Como é viajar com bebê?” “Bebê no avião”. “Ouvido do bebê dói no avião?” “É perigoso viajar com bebê?” “Conhecer a Europa com bebê.” “Portugal com bebê”. “Eu sou uma péssima mãe de levar minha filha tão pequena para uma viagem tão longa?” Hahaha

Eu prometi então que quando voltasse, iria escrever um post sobre viagem com bebês para ajudar mamães aflitas como eu. Demorou, mas saiu! Vamos, as dicas:

  • Converse com o seu filho antes de viajar – Dois meses antes de viajarmos, eu já comecei a conversar com a Isadora sobre a viagem. Mostrava foto de avião, colocava no youtube vídeos do avião decolando, do avião por dentro, de bebês viajando no avião. Eu tinha lido sobre isso e pensava que era “frescurinha” e que a criança não entendia, mas uma amiga psicanalista falou que realmente faz diferença e fez! Isadora não estranhou o avião, era como se fosse um local conhecido pra ela e isso fez muita diferença.
  • Cheguem com antecedência no aeroporto – façam check-in, despachem as malas e brinquem bastante antes de embarcar. Eu gastei todas as energias da Isa, corremos para todos os lados e então, ela dormiu logo no avião. Eu levei alguns brinquedinhos para entreter ela dentro do avião, mas para mim não adiantou nada e só aumento a bagagem, porque ela queria mesmo era brincar com aqueles saquinhos para enjoos haha.
  1. Voo noturno – você deve ter visto essa dica por todos os blogs de viagem e eu vou repeti-la aqui, porque fiquei na dúvida, assim como você deve estar. Sim, fez muita diferença. Isa ficou acordada na ida nas duas primeiras horas e depois capotou. Foi acordar quando faltava uma hora para chegar. Aí, minha amiga, eu vi que se fosse diurno, o negócio teria sido tenso, porque para entreter uma criança dentro de um espaço tão pequeno não teria sido fácil.

Isa dormindo no bercinho do avião.

  • Cadeira do avião – a Isa tinha 1 ano e 8 meses e pesava 9kg. Ela não poderia mais usar aquele berço do avião. Fomos de Azul, e eles tem um tal de “espaço mais” que tem um conforto maior para as pernas. Pagamos por ele e pedimos para reservar o assento onde dá para colocar o berço do avião (mesmo sabendo que ela poderia não usar), porque assim, ficaríamos com o espaço ainda maior para as pernas, porque este lugar que coloca o berço não tem cadeira na frente, é a “parede do banheiro” onde é fixado o berço. E o que aconteceu? Eu pedi para reservar o berço, eles colocaram, nem questionaram a idade (deve ser pelo fato dela ser pequena e magrinha) e ela foi e voltou dormindo nele. Não é a coisa mais confortável do mundo, mas é melhor do que ficar no colo durante mais de 9hrs. Então: paguem por isso, porque vale muito a pena. No começo eu fui relutante, não queria pagar mais, mas teria sido uma economia porca, porque uma criança descansada vale mais do que R$ 800,00 no bolso. O ruim do voo noturno é para os pais, porque eu e André não conseguimos pregar o olho, chegamos derrotados no dia seguinte e Isadora a todo o vapor, mas, antes nós do que ela.
Nas duas fotos abaixo:
O bercinho amarelo é um berço portátil que pedi para uma amiga artesã fazer para Isadora dormir caso não pudéssemos usar o berço do avião. Como pudemos usar o outro, esse não foi útil. Peguei para emprestar para um outro bebê, mas a aeromoça disse que ninguém pode ficar no chão porque a pressurização não chega, mas acho que ainda sim ele pode ser útil para colocar entre os colos dos pais caso fique no assento comum, pois aí terá cadeiras na frente para segurar um lado, e os pais para segurar do outro e o bebê dorme no meio, mais confortável 🙂 #ficaadica
Na outra para mostrar o espaço que tem nessa cadeira que é em frente a “parede do banheiro” onde é fixado o berço próprio do avião.
  • O ouvido dói? – Isa já é acostumada a tomar umas gotinhas de Alivium quando está com dor e camomilina para o dentinho (indicações do pediatra). Então, duas horas antes de embarcarmos eu dei o alivium e uma hora antes a camomilina. Não sei se foi isso, mas ela não sentiu incômodo algum. Coloquei ela no peito (porque ela ainda mama), na hora de subir e de descer, mas na ida ela nem quis e não reclamou de nada. Na hora da decolagem e aterrisagem é bom eles fazerem o movimento de sucção, então o peito, ou mamadeira ou chupeta ajudam. Por favor não mediquem seus filhos sem orientação do pediatra – eu “mediquei” a Isa com estes, pois são os indicados pelo pediatra dela.
  • Comidinhas – A Isa jantou comigo a comida do avião. Eles serviram macarrão, então, ela gostou. Eu sou adepta a alimentação saudável e super natural, mas não podemos ser encanadas demais. Um dia, não faz mal. Levem também comidinhas que você sabe que seu filho gosta, quando se está com crianças eles deixam entrar, só tome cuidado com os líquidos que se não me engano, não pode ser superior a 100ml.
  • Carrinho de bebê – para mim foi uma bugiganga. A Isa não usa carrinho aqui e é claro que não ia usar lá. Usamos um dia ou outro, mas teria sido dispensável. O que foi melhor para gente foi aquela mochila de carregar criança (a dela é da portbaby tamanha toddler Indicado para bebês a partir 75 cm e 9 kg até 22 kg) – hoje teria levado só isso. Mas se você usa muito no seu dia a dia, leva que vai fazer diferença, você pode ficar com o carrinho até a porta do avião, lá eles embalam e você pega depois no despache de bagagens especiais no aeroporto de destino (não sai na mesma esteira que a mala viu? – lembre-se disso).
img_20180614_163643252.jpg

Um dos poucos momentos de utilidade do carrinho, Isa dormindo nele enquanto a mamãe tentava tirar uma foto bonita do papai em frente ao Mosteiro dos Jerônimos.

Ok Ju, e lá? Como foi o dia a dia?

Acho que a melhor dica que posso te dar é: desencane! Não dá para manter a mesma rotina que você tem em casa e eu te garanto que uma semana ou 10 dias (como foi o nosso caso) não vai acabar com o que você demorou meses para construir em casa (eu sei disso porque levei 5 meses para ensinar a Isa a dormir as 21hrs haha). E também saiba que, não dá para curtir do mesmo jeito que você curtia quando não tinha filhos, é um ritmo diferente de viagem, mas isso não significa que você não vai aproveitar (eu aproveitei DEMAIS!).

Algumas dicas:

  • Fuso horário – meu DEUS!! Como eu tinha medo dele. Estaríamos 4 horas à frente do Brasil, e eu fiquei imaginando o que aconteceria com a rotina dela de sono. E não aconteceu nada! Eu ficava aqui, antes de ir, bolando estratégias para não afetar a rotina dela e me esqueci de tudo quando cheguei lá. Fomos no verão europeu e então os dias são mais longos. Quando dava 20hrs da noite, ainda estava um pleno sol e estávamos curtindo na rua. Quando chegávamos no apartamento, tomávamos banho, comíamos e todos capotávamos. Acordávamos no outro dia (um pouco tarde, confesso), mas como o dia era longo, dava ainda para curtir bastante. O importante é manter alguma coisa da rotina, então fazíamos a mesma coisa que fazia aqui: ela jantava, tomava banho, mamava, íamos para o quarto escurinho e ela dormia. Na cabecinha dela, não alterou muita coisa, então quando voltamos para o Brasil, tudo continuou do mesmo jeito. Tanto ela quanto nós não sofremos com o fuso, porque cansávamos tanto durante o dia que dormíamos assim quando deitávamos na cama, não queríamos saber que horas eram no Brasil. Foi super automático! Garanto!
  • Soneca da tarde – ela dorme todo dia de tarde. Lá ela também dormia, no colo, no carrinho, no canguru. Dormia todo dia um horário de tarde, mas dormia. Então, querendo ou não, a rotina continuou.
  • Respeite o ritmo da criança! – No terceiro ou quarto dia que estávamos lá, ela começou a fazer umas birras, a chorar muito sem aparente motivo. Começamos a perceber que ela estava ficando um pouco cansada. Então, tiramos um dia só para ela. Fomos para uma praia perto, deixamos ela brincar na areia. Quando deu umas 14hrs, voltamos e deixamos ela dormir a tarde inteira. Foi importante para ela e para nós.
    IMG_20180616_121432489[1]
    Praia da Rainha, Cascais.

Sempre gostamos de sair à noite quando viajamos, em Portugal não fizemos isso. Jantávamos sempre no apartamento. Isso poupava ela do cansaço e também economizávamos. Olha que legal! Aproveitávamos muito durante o dia e de noite, descansávamos.

É importante também diminuir a expectativa para conhecer pontos turísticos. Não encha o seu dia de local para conhecer, porque com criança o ritmo é mais lento. Eu montei o meu roteiro com esse pensamento e mesmo assim, acho que pequei no excesso, hoje teria colocado muito menos coisas e teria aproveitado mais ainda. Os filhos realmente ensinam a gente a viver melhor, porque não adianta ir para vários lugares e não aproveitar como se deve cada um.

  • Envolva a criança nas atividades – visitamos castelos, museus, mosteiros e tudo para Isa foi legal. Eu envolvia ela em tudo, mostrava as esculturas de forma bem entusiasmada e teve uma hora que ela mesmo mostrava para mim haha. No Mosteiro dos Jerônimos foi o ponto alto pra ela, tinha grama e muitas pedrinhas – deixei ela brincar a vontade e ela ganhou um machucado no joelho – mas, adorou!
  • Leve comidinhas na mochila durante os passeios – as vezes você não acha um lugar pra comer, ou precisa fazer isso em outra hora e se a gente já fica mal humorado com fome, imagine uma criança! Nós levávamos uva passa e castanhas, algo que não se deteriora fácil, e isso salvava muito nas horas da fome – um lanchinho saudável e rápido. E claro, o leitinho da mamãe que estava sempre disponível 🙂
  • Falando em leitinho – eu amamento a Isa em livre demanda, até hoje. Eu não sabia como era Portugal em relação a isso, mas fui surpreendida! O povo é muito solícito com mães e bebes, é incrível! Quando eu entrava em qualquer transporte público, alguém se levantava imediatamente (inclusive idosos, tadinhos) para me dar lugar, e não vi nenhum olho torto quando eu amamentava. Inclusive, ouvi de uma senhora: Que alimento maravilhoso, está sempre disponível, alimenta e ainda faz dormir 🙂

Eu sou muito reservada em relação ao meu corpo. Eu (eu, Juliana) não gosto de usar decotes e então, exatamente pelo mesmo motivo não gosto de mostrar meu peito enquanto amamento (não sou contra quem faz, muito pelo contrário, nosso seio não deve ser motivo de erotização, ainda mais enquanto se está fazendo algo tão divino como amamentar), mas eu não gosto, então antes de ir, comprei uma “capinha de amamentação”, essa capinha é aberta em cima, então eu consigo ver a Isa enquanto amamento e temos o nosso momento reservado, mesmo estando no meio de um monte de gente.

A Isa quando queria mamar já falava: Mamãe, pano! Aí eu pegava a capinha e dava de mamar, tranquilamente.

Amamentando na Confeitaria /fábrica Pastéis de Belém:
  • Sinapses – vale a pena eu falar sobre isso neste post. Quando compramos a viagem, eu fiquei me sentindo meia mal por expor a Isa a tanta coisa. Antes de irmos, passamos no pediatra para ver se estava tudo ok para ela viajar e o pediatra me falou de uma coisa que alegrou meu coração. Os neurônios dos bebês fazem contatos e passam informações, as chamadas sinapses. De 0 a 3 anos é o período em que mais sinapses são feitas, ou seja, o maior número de contato neurológico durante toda a sua vida, o desenvolvimento do seu cérebro em grande parte está nesse período. Porém, as sinapses precisam de estímulos para se darem. Estímulos são: novos ambientes, novas brincadeiras, chão, terra, grama, praia, situações diferentes. Quanto maior a exposição, maior o desenvolvimento do bebe, melhores resultados para sua vida adulta. Quanto mais ele for exposto a situações diferentes enquanto criança, melhor ele saberá lidar com problemas no futuro. Isadora voltou muito mais esperta do que foi, te juro! Então por recomendação médica, eu te falo, a melhor época para viajar com seu filho é realmente essa! Então não se culpe, você está fazendo um bem para seu bebê. E se você tem filhos já maiores, mais fácil ainda será essa viagem. Na verdade, qualquer época é boa para viajar com nossos filhos.

IMG_20180614_193005802[1].jpg

Isa fazendo novas sinapses 🙂

Acho que este post ficou muito grande, mas precisava ser para eu passar as dicas que foram essenciais para mim.

Se você ainda tem dúvida com alguma coisa, pode me mandar mensagem que será um prazer te responder! Mãe ajudando mãe 🙂

Essa viagem foi maravilhosa. A Isadora curtiu de mais, mesmo sendo tão pequena, pois ela conheceu novos lugares, viveu novas experiências e o principal: ficou grudada com a mamãe e o papai durante o dia e a noite (porque a cama era grande e dormíamos os três juntos, sem neura!) – tem coisa melhor do que isso?

Clique aqui e veja o  nosso roteiro pelas terras portuguesas 🙂

3 comentários sobre “Viajar com bebês – dicas para mães aflitas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s