O furacão do Puerpério

              umbrella-2603995_1280

              Puerpério? O que é isso? Uma doença? Algo contagioso? Precisa de vacina?

            Muita gente fez uma cara de ué quando leu o título do meu livro “40 conselhos para um resguardo feliz e um puerpério mais leve”; foi por isso até que coloquei “resguardo” no meio para que a pessoa pudesse ter uma leve noção do que o livro estava dizendo. Quando fui registrar o livro na Biblioteca Nacional, o cara que me atendeu teve que olhar para a palavra “puerpério” umas três vezes para poder escrevê-la direito. Com tudo isso eu percebi o quanto a sociedade no geral não está muito preparada para lidar com uma puérpera e talvez nem ela mesma, pois eu vi mulheres que já passaram por isso me perguntando o que era puerpério.

            Puerpério é a fase que se inicia logo após o parto e vai embora quando o estado geral da mulher (físico e psíquico) volta às condições anteriores à gestação (apesar de eu discordar que uma mulher volte a ser o que era antes de ter filho). Nessa fase várias alterações físicas e psíquicas ocorrem e a mulher acaba tendo muitas alterações de humor, sente-se confusa, com muito medo, cansada, sensível.

            Eu defino como um furacão, um furacão de hormônios, sentimentos, medo e insegurança. Parece que o mundo caiu nas suas costas, que sua vida está de cabeça pra baixo, que você está presa dentro da sua própria casa e nunca mais verá a luz do sol (sem exagero!). Você se pergunta quem é, procura aquela mulher que você era e simplesmente não se acha.

             É um período muito difícil e ele chega bem no momento em que você “pelos olhos da sociedade” deveria estar feliz e plena, afinal, você tem um bebezinho lindinho nos seus braços. E aí a mulher pira! Ela mesma começa a se cobrar: “cadê a tal felicidade, borboletas na barriga, sentimento de completude que eu deveria estar sentindo agora? ”. Se ela não tiver alguém ao lado que já passou por essa fase ou que entende o que ela está passando, oferecendo apoio físico e emocional, essa fase vai se tornar ainda mais difícil do que já é.

               Eu não tive baby blues (aquela melancolia pós parto) e nem depressão pós parto, mas mesmo assim o puerpério foi difícil. Fiquei meia louca! Hahaha Fui brigar com o vizinho que estava em reforma e por isso estava acordando a Isadora com as batidas na parede  – imaginem a cena; fiquei arrependida de ter escolhido ser mãe (olha só),  fiquei com medo do meu casamento acabar e a todo tempo parecia que carregava o mundo nas costas. É realmente um furacão. Eu sabia o que ia enfrentar nessa fase, pois havia lido muito sobre isso na gravidez, mas no meio do furacão tudo o que você quer é sair dele e toda a teoria vai por água abaixo; por isso todo o apoio emocional que eu tive do meu marido, mãe e irmã foi fundamental.

            Se você está passando pelo furacão, olha: ele passa! De pouquinho a pouquinho as coisas vão se encaixando, você vai conhecendo essa nova pessoa que se tornou, vai conhecendo aquela criaturinha chamada de filho, vai vendo que o mundo não está nas suas costas apesar de toda a nova responsabilidade, o arrependimento vai dando lugar para a certeza, o medo vai se transformando em coragem, o amor vai tomando o espaço do caos.

            Se você está grávida ou planeja estar um dia: É bem provável que você passe pelo furacão, saber disso é fundamental para sair dele mais rápido. Procure estar rodeada de pessoas que entende o que você está passando e isso será como aquele esconderijo debaixo da casa que vemos em filmes americanos, onde a pessoa se esconde e sai de lá quando realmente está seguro.

            E um conselho para toda a sociedade: Apoie uma recém mãe! Não importa se é o 10° filho, ela está precisando de apoio! Não seja aquela pessoa que cobra a felicidade plena pós parto porque isso é conto de fadas. Seja aquela pessoa que oferece ajuda, fale que vai passar, que você está ali, lave uma louça para que ela possa descansar, leve um chocolate para ela, pergunte se ela está bem. Eu sei que é quase impossível não focar toda a atenção naquela coisinha fofinha que acabou de chegar ao mundo, mas quem mais está precisando de atenção nesse momento é a mãe.

 

      O livro 40 conselhos para um resguardo feliz e um puerpério mais leve surgiu para dar esse apoio à nova mãe. Ele é  uma forma de abraçá-la e dizer: calma, tudo vai passar! É uma conversa entre amigas, um lenço para o choro, saídas para o desespero, um abraço de quem sabe o que ela está passando.

Como sei que tempo é tudo o que uma nova mãe não tem, dividi o livro em quarenta conselhos para serem lidos em cada dia do resguardo, e prometo que a leitura não demora mais do que três minutos.

 Eu desejo a cada nova mãe que o puerpério seja leve e muito feliz!

Ah, quer o livro? Você pode comprar diretamente pelo site:

https://puerperas.lojavirtualnuvem.com.br/produtos/40-conselhos-para-um-resguardo-feliz-e-um-puerperio-mais-leve/

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s